13/11/2017

Pra inspirar: Bullet journal

Oi, gente! Tudo bem? Já falei diversas vezes por aqui e no canal (vídeo 4, desse post) que amo escrever e ter diários/agendas (entre outros caderninhos para organização - lembram que em 2015 até disponibilizei um planner como freebie?). Depois que vi esse vídeo da Paula Reggiori sobre bullet journal fiquei super inspirada e quero começar um ano que vem - tô reunindo várias inspirações na minha pastinha no Pinterest. Eu já conhecia essa proposta mas nunca tinha prestado muita atenção, embora seja incrível eu sempre achei meio inatingível, até entender que cada um pode fazer do jeito que bem entender :) Seguem algumas inspirações:
 


 












Bacana, né? Alguém aí já montou ou está fazendo um bullet journal? Me contem aqui nos comentários e me passem as dicas/manhas de vocês. E segue a minha pasta lá no Pinterest para acompanhar mais inspirações como essas! Beijos.

08/11/2017

Vídeo: Document Your Life - October 2017

Oi, gente! Tudo bem? Venho compartilhar com vocês hoje alguns momentos que consegui registrar no mês de outubro. Tô muito feliz que batemos 5K no canal e quero agradecer vocês imensamente por isso! Sou muito grata por todos inscritos que me dão o apoio para continuar, por mais que as vezes pareça tão difícil e sem sentido, me mostrando que vale a pena. Aproveito a oportunidade para pedir sugestões para os próximos vídeos e coisas que vocês gostariam de ver mais por lá! Comentem aqui nesse post :)


Se você gosta desse tipo de vídeo, confere também o Document Your Life do mês passado. Se inscreve no canal se ainda não é inscrito pra me dar uma força e também deixa seu like nesse vídeo - é de graça e só espalha amor! Beijos.

26/10/2017

Playlist #10: Vibes de outubro

Oi, gente! Tudo bem? Lembram que mês passado postei aqui minha lista de músicas mais ouvidas no mês? Resolvi repetir a dose e compartilhar com vocês o que tenho escutado em outubro - com uma pegada pop, nostálgica e claro, de Halloween - algumas músicas bem animadas e outras numa vibe mais chill, afinal a vida é assim mesmo, feita de altos e baixos.
Se quiser conferir outras playlists que já criei no Spotify, é só acessar o meu perfil - e ah, deixa o seu também aqui nos comentários pra eu ver! O mix ficou bem inusitado, com 31 músicas, e espero que vocês curtam:
Vale conferir outras listas de música que já rolaram aqui no blog: Playlist #9 / Playlist #8 / Playlist #7 / Playlist #6 / Playlist #5 / Playlist #4 / Playlist #3 / Playlist #2 / Playlist #1 :)

Sim, eu sei que o blog anda abandonado mas eu tô bem desanimada e realmente tá rolando um bloqueio para criar conteúdos e visitar os blogs que comentam aqui e que me inspiram - sem ânimo pra isso - espero normalizar as coisas em breve. Beijos.

17/10/2017

15 coisas sobre assistir Friends

Oi, gente! Tudo bem? Terminei de assistir pela primeira vez as 10 temporadas de Friends - tem na Netflix! - e venho compartilhar algumas impressões que tive com vocês, para dialogar com quem já tinha assistido a série e quem pretende assistir - todos os spoilers não são tão significativos, apenas pinceladas gerais e acredito que não vão afetar muito a compreensão da história.

Joey Tribbiani (Matt LeBlanc), Phoebe Buffay (Lisa Kudrow), Ross Geller (David Schwimmer) Rachel Green (Jennifer Aniston), Chandler Bing (Matthew Perry) e Monica Geller (Courteney Cox)
via GIPHY

01. Acho que um dos motivos pra eu nunca ter tido interesse na série antes é por achar o formato meio tolinho - e se pensarmos bem, é algo bem simples, sem nada demais, focado na "vida real" de pessoas comuns. E acho que essa foi a fórmula do sucesso deles, que fez a série tão inovadora e influenciadora: baseada nas pessoas e nas relações, emoções humanas, problemas da vida real - sempre com a máxima de 'rir pra não chorar', com histórias que se cruzam o tempo todo. Acho que a gente vem da adolescência com uma expectativa muito alta em relação a vida adulta, que vamos ser alguém de "sucesso" e o choque de realidade dá uma baixada nos ânimos, mas com essa série a gente vai tendo essa sensação de "tudo bem se as coisas não forem como planejamos", a vida vai oscilando entre bons e maus momentos e é assim mesmo.

02. Eu já tinha assistido episódios soltos da série - vi numa aula de inglês, lembro que passava no SBT há muitos anos atrás e normalmente ainda passa na TV fechada - achava engraçadinho, mas nada demais e nunca entendi as piadinhas internas que precisam ser acompanhadas a longo prazo. Quando eu finalmente engrenei a série esse ano, fiquei com a sensação que Friends não é pra qualquer momento da vida, ou pelo menos não funciona para todos em qualquer período. Fazia muito sentido pra mim "maratonar" agora e rolou uma identificação maior com os personagens porque tenho a suposta idade deles quando começaram o grupo e as angústias e emoções dos vinte e poucos são mais fáceis de compreender pois estou vivendo-as.
 
03. Outra questão interessante de ter assistido a série nesse momento é analisar o figurino - tanto pelo aspecto dele ter mudado radicalmente, pegando duas décadas icônicas, pois a série se estende de 1994 até 2004, quanto pelo aspecto das influências que recebemos hoje. Recentemente, temos visto uma enxurrada de tendências inspiradas nos anos 90 e 2000 e o figurino feminino da série (principalmente da Rachel e da Monica) é muito emblemático e bacana de acompanhar (e pensando não só nas roupas, mas nos cabelos e maquiagens, também).
04. Justamente por ter passado por essas duas décadas, a série mostra uma grande evolução na questão do feminismo e a maneira como mostra as mulheres. Claro que temos que entender que o processo é lento e o senso comum da época colabora pra isso. No começo, a objetificação da mulher é explícita e constante, acontecem julgamentos de comportamento baseado no gênero, ressaltam-se os padrões de hábitos considerados "normais" para mulheres e absurdos para homens (e vice versa). Outro ponto que dá pra notar é que, por mais que comédias tendam a exagerar loucamente as coisas, num primeiro momento, a questão do lesbianismo é tratada sempre como piadinha e algo "vergonhoso". Mas com o passar das temporadas, dá pra perceber que eles passam a abordar o assunto de maneira mais madura e "normal".

05. A temporada que mais demorei para terminar foi a primeira porque - quem me conhece sabe que se eu fico muito agoniada com uma situação ou personagem não consigo mais assistir as coisas - o Ross me incomoda muito. Ele é o tipo de personagem que se eu lesse o script ia pensar "que demais" - poxa, ele trabalha em museu, é paleontólogo, é PhD, nerd, é irmão da Monica. Mas na vida real ele é um babaca, desses bem machistas controladores, não aceita bem a opinião dos outros e acredita em verdades absolutas da ciência, além de ser manipulador e egoísta em algumas cenas. O fato é que os outros personagens são tão legais que compensam! E acredito que ele foi melhorando aos poucos na série - no começo eu queria que ele saísse do grupo, mas depois alguns episódios só fazem sentido porque ele tem umas deixas engraçadas.

06. Lá pelo meio da série peguei agonia foi da Rachel - principalmente quando ela conhece o Tag na Ralph Lauren. Algumas atitudes dela me faziam demorar bastante pra conseguir ver um episódio inteiro. Sabe quando a gente fica aflita e fica parando, indo respirar, fazer outras coisas para poder voltar e seguir? Pois é. Ficava só tentando aconselhar ela mentalmente, ou mesmo dar umas sacudidas. Ainda bem que com paciência dá pra superar. No final da série, o personagem que eu tava mais incomodada era o Chandler. Ele era um dos meus favoritos no começo, muito engraçado e com ótimas sacadas, dava para realmente rir com as cenas. Mas depois de umas temporadas, ele virou o "tiozão do pavê", com umas tiradas super forçadas e horríveis - fiquei com preguiça.
07. Fica bem claro que a Monica é o ponto central da série, já que o apartamento dela é cenário para a maioria dos episódios - e como não se apaixonar pelas cenas de flashback com ela gordinha? Eu amo! Tem toda a questão da família Geller - que acaba sendo a mais bem explorada na série e consegue fazer um interessante background. Acho que ela tem a personalidade mais bem construída da série, que faz com que as coisas aconteçam - ela é a perfeita anfitriã, organizada, com mania de limpeza, competitiva, ama comida e cozinhar. Na outra ponta, tem a Phoebe - o apartamento dela aparece pouquíssimas vezes e ela quase não tem cenas de flashback, embora tenha vivido histórias intensas -, sinto que ela parece meio deslocada (pois alguns no grupo parecem não gostar tanto dela), sendo uma personagem que acho até pouco explorada, porque ela é sensacional, dá outra visão pra história por ter vários princípios e crenças diferentes.

08. É difícil dizer que tenho um personagem favorito, já que o grupo só faz sentido junto... E em alguns episódios uns são mais destaque que outros. Mas não tem como negar que o Joey sempre deixa um saldo positivo! Por mais que tenham tentado forçar uma certa 'lerdeza' na personalidade dele - que fica pior ao decorrer das temporadas, pois no começo ele não era tão assim, acho que é natural a gente se compadecer com pessoas que parecem ser mais devagares e não tão espertas. Por um lado, isso faz com que a gente se sinta bem, nos sentimos inteligentes e "superiores", e por outro lado, tem a questão da empatia, de querer ajudar.

09. A evolução dos personagens é muito gostosa de acompanhar - tanto é que quando rolam aqueles flashbacks dentro da série (por exemplo, mostrando cenas da primeira temporada num episódio da sétima) ficamos chocados de ver o quanto eles mudaram e não dá pra reparar muito - só notamos pequenas mudanças de temporada pra temporada. Uma das coisas que acho interessante é a questão do Chandler em relação ao emprego - quando a gente perceber que não é tão fã assim das escolhas que fizemos, mas que dá pra mudar e tentar fazer diferente. E por mais que alguns personagens irritem em determinados momentos, dá pra entender que é uma fase, e que isso acontece com as pessoas na vida real. Essa verossimilhança faz com que a gente se identifique e goste mais ainda da trama. Já que mencionei especificamente os personagens, acho que vale acrescentar a minha lista dos queridinhos definitiva, considerando todos os altos e baixos durante as temporadas:
Mais gosto       Joey, Monica, Phoebe, Chandler, Rachel, Ross       Menos gosto


10. Além dos personagens principais, a série conta com diversos personagens secundários que dão um charme e graça a mais para os episódios, como Gunther (James Michael Tyler) - gente, eu adoro o Gunther, acho que tinha que ter tido um episódio especial só sobre a vida dele -, Janice (Maggie Wheeler), Mike (Paul Rudd), Frank Jr. (Giovanni Ribisi), David (Hank Azaria), Carol (Jane Sibbett), Susan (Jessica Hecht) - além dos pais da Monica e do Ross, Judy (Christina Pickles) e Jack (Elliott Gould). Também vão surgindo convidados especiais a medida que a série vai ganhando notoriedade como Winona Ryder, Bruce Willis, Brad Pitt, Julia Roberts, Reese Witherspoon, George Clooney (além de ter marcado o começo da carreira de vários atores que se consagraram depois) e isso é muito bacana. 

11. Uma coisa que me dá um pouco de agonia na série é o fato deles envolverem personagens que precisariam estar constantemente na vida deles e que não aparecem muito depois de determinados pontos - e acho que essa quesito só vai entender bem quem já viu a série inteirinha. Por exemplo, a Carol e a Susan, que somem completamente da série - assim como o Ben, que passa ser apenas mencionado, mas não faz mais os episódios. E depois que a Emma nasce, os parentes maternos não vem nunca visitar a neta, apenas uma das tias - sendo que eles eram mais presentes em outras temporadas.

12. Depois que terminei a série, vi algumas entrevistas com os personagens principais e sempre perguntam a mesma coisa: como a Monica e Rachel pagam o apartamento em NY com o emprego delas? E eu penso, como assim? Vocês não prestaram atenção na série? Eles mencionam o tempo todo que o apartamento é da vó da Monica e ficou pra ela. Tem tanta coisa interessante que deve ter acontecido com eles dentro e fora da série, os episódios tem vários detalhes, o roteiro as vezes segue um caminho super estranho e a história apresenta alguns furos (de datas, e informações desencontradas, dos apartamentos vistos de fora serem diferentes vistos de dentro) que as pessoas poderiam perguntar sobre em entrevistas... E eles perguntam sobre coisas bobas que implicam para fazer piadinhas sobre o custo de vida em NY!
13. Já que estamos falando dos apartamentos, não custa nada dar uma alfinetada nas decorações! É claro que o meu espaço favorito é o apartamento da Monica, acho o modelo dele incrível - com a ideia das cores contrastantes e alguns objetos legais, mas a decoração em alguns pontos é sobrecarregada, meio over, né? Claro que depois tudo vira super peculiar e a gente não mudaria nada - que nem a Vila do Chaves. Mas esse negócio do over acontece em geral em muitas casas estadunidenses, o apartamento do Ross é esquisito com aquela janelinha na cozinha, o do Joey e do Chandler também tem uma decoração péssima e a cozinha sempre parece meio bagunçada, a casa dos pais da Monica é meio brega e até a casa nova da Monica na última temporada, parece cheia de móveis demais. O único que se salva é o apartamento da Phoebe depois do incêndio, que até ficou bonitinho. 

14. Eu tenho muitos episódios queridinhos, tem uns que são tão bons e engraçados que a gente quer que eles tenham pelo menos mais 3h de duração. Mas acho que meu favorito é o quarto episódio da quinta temporada The One Where Phoebe Hates PBS, porque o Joey fala sobre não existir atos verdadeiramente altruístas, que mesmo quando fazemos algo bom e não somos egoístas, fazemos para nos sentirmos bem. E isso é uma coisa que sempre falo/discuto, porque faz muito sentido - tanto é que a Phoebe fica fazendo mil coisas pra tentar provar que ela não é egoísta e no fim até as ações que parecem mais boas, são feitas com um fundo de egoísmo. Então, eu fiquei muito chocada quando ele desenvolveu essa teoria, fiquei com vontade de entrar no episódio e conversar com ele sobre isso, sabe? 

15. Embora seja possível entender e achar engraçado ver a série em episódios soltos na TV, é outra vida quando a gente assiste tudo seguido, ainda mais quando resolve maratonar e ver em um curto período de tempo. A série se torna apaixonante e a gente se sente muito íntimo dos personagens por entender as piadinhas internas, os sentimentos, as mudanças pelas quais eles passam, a história de vida. É muito bacana captar todas as referências e ver como eles estão sempre relacionando as coisas - além de aprender muitas expressões e treinar o inglês. Por isso, não tem como assistir e ficar indiferente, a gente vira fã e passa a entender essas pessoas que são doentes por Friends haha
Eu fiquei pensando muito antes de encerrar essa lista aqui, sempre parece que tem algo novo pra acrescentar... Se vocês gostarem posso fazer uma parte II - assim que eu resolver assistir tudo de novo (será que é possível assistir só uma vez? Todo mundo que eu conheço que viu a série, assistiu todas as temporadas pelo menos duas vezes!). De qualquer maneira, espero que tenham gostado da lista e que expressem suas emoções/opiniões aqui nos comentários. Beijos!

14/10/2017

Receitinha: Biscoitinhos de Cranberry (sem lactose)

Oi, gente! Tudo bem? Hoje venho ensinar como fazer biscoitinhos estilo "de feira", só que mais saudáveis e gostosos! São pequeninhos e perfeitos pra levar de lanche ou ter sempre na bolsa, pois ficam crocantes, saborosos e são práticos. Espero que gostem:

Ingredientes:

- 1 xícara de óleo de coco
- ½ xícara de açúcar mascavo
- 1 xícara de farinha de coco
- 2 colheres de sopa de castanha de caju triturada
- 2 colheres de sopa de cranberry (arandos ou oxicoco) desidratado
- 2 colheres de sopa de quinoa em flocos

Modo de preparo:

Misture todos os ingredientes num recipiente e modele em palitos (adicione mais farinha ou mais óleo, caso necessário). Coloque-os numa forma untada com óleo de coco e farinha de coco e leve ao forno pré aquecido em 180ºC por cerca de 10 minutos ou até eles ficarem levemente douradinhos.

Muito simples e rápido de fazer, né? Se experimentarem a receita, me contem aqui nos comentários. Beijos!

13/10/2017

Look do dia: Work from home

Oi, gente! Tudo bem? Quando a gente trabalha de casa, tudo fica mais flexível e precisamos ser super organizados para fazer as coisas acontecerem. Das muitas vantagens, podemos incluir o fato de trabalhar de pijaminhas, mas de vez em quando bate uma vontade de se arrumar um pouquinho e quando surge essa oportunidade, temos que registrar, né? O look de hoje é bem básico, mas com uns detalhes legais e achei que valia a pena compartilhar por aqui.




 
Fotos: Ana Clara Stein / Brilho de Aluguel

Créditos: 
Camisa - OASAP
Blazer - OASAP
Legging - Dits
Sapato - Renner

Beijos!

12/10/2017

Sinhá Benta: Café em Blumenau

Oi, gente! Tudo bem? Semana passada falei para vocês aqui de uma gelateria bem bacana em Blumenau, lembram? Nessa mesma viagem, para nos despedirmos da cidade num fim de tarde e voltarmos pra Florianópolis, passamos numa cafeteria no Shopping Neumarkt (fica no último andar).
 
O espaço é muito charmoso, todo branquinho com uns detalhes misturando estilo contemporâneo com provençal. Além do espaço da cafeteria, eles tem mais mesas no próprio corredor do Shopping, então tem bastante espaço. Achei engraçado que esse desenho que é símbolo da cafeteria me lembra muito a fada Flora de A Bela Adormecida, minha princesa favorita da Disney hehe
O cardápio é bem variado, com tortas e bolos tentadores... Mas, como estamos todos num processo de reeducação alimentar aqui em casa, tentamos escolher as coisas mais saudáveis e ficamos felizes de encontrar opções gostosas por lá. Pedi um café com leite sem lactose e uma fatia de torta de frango que era basicamente só recheio, com bem pouca massa (uma delícia!).
Depois, pedimos uma fatia de torta integral de abacaxi para dividir, bem gostosa também. O atendimento foi bem rápido e atencioso. E como esse último andar é meio isolado e mais vazio, acaba sendo bem tranquilo e não tumultuado quanto cafés em praças de alimentação, sabe? A gente até esquece que tá no shopping.
Anotei os preços num memo no celular e acabei deletando sem querer depois e agora não tenho essas informações para passar pra vocês, mas acredito que as fatias de torta integral eram algo em torno de R$8 e o café R$6 - não tenho certeza e se eu encontrar mais informações, atualizo o post :)
Pesquisei mais sobre o café e descobri que eles tem unidades em Balneário Camboriú também. E aí, já conheciam esse lugar? O que acharam? Beijos.

 
Brilho de Aluguel © 2010 - 2017 | By Thayse Stein