09/06/2014

Falando sobre comportamento: Sanidade exasperada

Imagem via Weheartit

Sobre filtros e enxurradas
Os temas relacionados a saúde mental sempre me interessaram, pelo fato de eu ter uma carga genética cheia de ameaçadoras patologias que podem se manifestar no futuro. Assisti uma entrevista com a Clarisse Falcão, onde ela explicava que as letras de suas músicas são relacionadas com o que nós pensamos, mas não necessariamente fazemos. Ela fala sobre ideias sem filtro, coisas que não executaríamos em plena consciência, mas que se passam pela nossa cabeça de vez em quando. Estamos tão acostumados a nos policiar, que dificilmente colocamos pra fora o que na verdade pensamos. Aprendemos, desde crianças, o que se pode ou não fazer em público. Essa divisão entre público e privado é muito mais complexa do que nós conseguimos imaginar, ou do que nós achamos que conseguimos circundar com nossas pequenas cercas brancas de madeira. Muitas vezes, quando podemos jurar que estamos sendo sinceros e conseguindo expressar nossa opinião, nem notamos que, ali no fundo, misturado com as nossas ideias, que se transformam em palavras, há traços da embalagem do filtro que tecemos ao longo dos anos. Já faz tempo que se descrever como louco é legal. As pessoas se auto-intitulam como malucas, doidas, foras da casinha. Fica parecendo que elas são interessantes, que fazem coisas pra sair da rotina, que rompem com paradigmas. Mas, ser pirado, é absolutamente comum. Se antes éramos regrados por uma sociedade que escondia as pessoas que nasciam diferentes, hoje, somos encorajados a sermos nós mesmos, mas sempre involucrados de comportamento social adequado. Claro que ninguém é normal. Existem muitas discussões sobre o que é ser normal, mas somos nós, os loucos contemporâneos, carregados de bagagem histórica e tradicional, que decidimos as regras, os padrões e a moral, que encaixamos as pessoas no ideal de bom moço. Externalizamos tudo aquilo que queremos que o outro veja. Nos vestimos com as modelagens padronizadas da nossa década, repetimos gestos diários de pudor, moderamos nossas falas e pensamentos, fazemos perguntas automáticas por educação e respondemos da mesma maneira.Vivemos numa sociedade dura, que cria mil coisas pra depois refazer, que inventa mil cidades que crescem sem controle, que constrói tudo em cinza. Aprendemos errado, pra depois corrigir. Poluímos tudo, pra depois limpar. Somos incentivados a ser sérios e racionais, nunca sonhar e ser de verdade um desatinado. Queremos ser vistos como diferentes, queremos nosso lugar ao sol, queremos maluquices sem tamanho, mas continuamos sendo os reis do filtro, moralistas e irremediáveis, entupidos de honra, burocracia e autoridades.Pensando no bom convívio de todos, nem sempre poderíamos executar nossas loucuras, mas e se deixássemos que elas escorressem em enxurrada, em forma de música, texto, poesia, como faz a Clarisse, quando se joga da janela do oitavo andar? Não teríamos medo das ideias mais bobas, enfrentaríamos melhor os problemas e seríamos mais capazes de ser feliz. Entenderíamos melhor o que somos e conseguiríamos enxergar os outros além do banal oi-tudo-bem. Quão enriquecedor seria se pudéssemos sentir a imaginação fluindo ilimitada, discutir devaneios, repartir sonhos que nascem acordados, ideias coloridas sem pé nem cabeça?

Texto escrito originalmente em 11 de setembro de 2013


34 comentários:

  1. Amiga,nem sei o que dizer em relação a este assunto!! Passei para ver as tuas novidades,já reparei que são muitas!! Desejo-te um mês de Junho muito bom!! Não te esqueças de visitar o meu cantinho!! Muitos beijinhos!! mundomusicaldacarolina.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  2. Eu adoro Clarice falcão suas letras são um máximo, assino em baixo no que você disse, ainda mais sobre o assunto! Hoje em dia as pessoas fazem cada letra de musica que as vezes me assusto, algumas me encantam.
    Mudando rapidinho de assunto, minha irmã tá louca pela promoção rs :D participando, TÔ ANSIOSA PELO RESULTADO

    beijo,
    @maahmusic
    www.maahmusic.com

    ResponderExcluir
  3. Olá Thayse, lendo esse texto, sobre comportamento x sanidade, lembrei de um video que assisti em uma aula de psicologia, não sei se você já assistiu, é um pouco grandinho, compartilho aqui com você...

    https://www.youtube.com/watch?v=8Bp-cgUQpbk

    ResponderExcluir
  4. Curti muito seu texto . Me fez refletir sobre a real definição de ser "doido" , como todos hoje em dia dizem, para tentar passar a imagem de que não seguem rotinas ou regras. Mas no final das contas,seguimos regras do mesmo jeito rsrsrsrs

    Beijão !

    http://vivasincera.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Amei seu texto. Ele me fez refletir. Muitas vezes não paramos para refletir certas coisas como essa. Como você disse no texto desde pequeno estamos aprendendo o que devemos ou não fazer em publico ou seja o certo do errado. Amei.
    http://pensamentosdefabs.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Gostei demais do seu texto Thayse.
    No fundo, todos temos um pouco de loucura, algumas vezes conseguimos expor e outras vezes temos aquela loucura velada.
    Big beijos
    Lulu on the Sky

    ResponderExcluir
  7. Acho que hoje a personalidade e nossa individualidade está em bastante evidência. Gostei do texto, parabéns!

    Beijos, Jell & Marcelo
    www.urbanoeretro.com.br

    ResponderExcluir
  8. Amei o texto ♥
    Beijos

    featglam.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. que bacana, tb gostei do ponto de vista das músicas da Clarice Falcão, diferente neh


    bjos
    kammy
    Comer, Blogar, Amar

    ResponderExcluir
  10. É interessante destacar esse assunto porque nós realmente nos criamos cheios de filtros. Em alguns momentos, independente do que nos é ensinado enquanto crescemos, nós mesmos acabamos por impor algumas "regras sociais" para o que queremos-fazemos-falamos. Gostei bastante de uma parte que foi citada, sobre hoje em dia todos nós abrirmos bem a boca para falarmos o quão desajustados, fora do sistema, não alienados e loucos nós somos, quando na verdade, quando muitos de nós somos uma coisa, a mesma passa a ser absolutamente comum. E isso me lembrou um certo ponto sobre tatuagem. Antigamente, ter tatuagem era uma forma de expressão gigantesca, uma forma de protesto, um ponto de marginalismo no meio de uma multidão correta; hoje, ter tatuagem é apenas ter tatuagem, estar dentro de um padrão onde as pessoas fazem e é aceitável, normal, comum, porque quase todo mundo está aderindo isso pra si. Acho que conviver em sociedade exige sim de nós alguns filtros, mas sigo a linha "o limite do outro começa aonde o meu termina".

    La Diabolique - Fan Page - SORTEIO Varsity Jacket

    ResponderExcluir
  11. Adorei a forma como você colocou suas ideias no texto e como conseguiu basear seus pensamentos alinhando-os às ideias da Clarice. Acho ela um amor de pessoa, suas letras são realmente inspiradoras e transmitem alguns dos nossos desejos mais profundos, aqueles que nós não deixamos exteriorizar por estarmos nos filtrando - me apodero da expressão que você usou.

    O texto me fez pensar bastante sobre os filtros e nossas vontades mais absurdas que, caso resolvêssemos colocá-las em prática seríamos taxados de loucos. Concordo com você, em certo ponto, que seríamos muito mais livres e felizes se deixássemos um pouco as amarras de lado, mas acredito também que precisamos dos limites, dos filtros, para administrar bem nossos desejos com o que é sociavelmente aceitável, pois caso contrário, tudo viraria um caos.

    É tudo questão de respeitar. Acredito que as pessoas, hoje em dia, estão se libertando um pouco das amarras e se deixando ver como realmente são - com tatuagens, piercings, cabelos coloridos, roupas, manias, etc - e acho isso bacana, desde que não interfira no terreno do vizinho. Como sempre dizem, nossa liberdade acaba onde começa a do nosso semelhante, então, porque não praticar nossa "loucura" dentro desses limites?

    Também adoro refletir sobre saúde mental e também tenho traços genéticos amaldiçoados por patologias, mas tento seguir minha liberdade dentro dos limites, sem ferir ninguém.

    Ainda acredito no dia em que todos seremos livres, de verdade, respeitando o próximo e conseguindo ser feliz dentro desse espaço. Enquanto isso não acontece, sempre bom conhecer novos pontos de vista.

    macabea-contemporanea.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Achei muito interessante o texto. Desde que nascemos nosso pais nos ensinam que caminhos seguir e o que é certo ou errado. Mas prefiro pensar que não existe certo ou errado, o que é certo para mim é errado para o próximo. Hoje em dia vejo pessoas querendo serem diferentes, ás vezes elas nem gostam de algo mas aderem aquilo só para parecerem fora do normal. Claro que somos diferentes, mas ao mesmo tempo iguais. Acho que cada um deve respeitar ao outro, mesmo não gostando do que o próximo faz. Não devemos impor regras para as pessoas de como devem ser, devemos deixa-las serem 'elas mesmas - sendo que respeite o próximo-.

    Muito bom o seu texto, de verdade <3

    ♥Blog: Like The Moon♥
    ♥Página do blog♥

    ResponderExcluir
  13. Pensando assim, minhas histórias e pensamentos dariam um lindo livro, ou feio livro, e algumas músicas!
    Mas tipo, a sociedade nos obriga a agir de tal forma! Por isso as pessoas se alto dizem malucas!
    Acho que entendi seu ponto de vista!

    www.pequenamenina31.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  14. Uauuu!!!! Tema pra se refletir hein ...
    Já sou leitora sua através do meu blog pessoal (Pra curtir moda)
    Mas hj vim te apresentar meu novo blog, em parceria com uma amiga
    Se puder passar lá pra conhecer

    http://lookdecrente.blogspot.com.br/

    Kisses Kisses
    Bye Bye

    ResponderExcluir
  15. As questões relacionadas a mente sempre me deixam confusas. As ideias da Clarice Falcão são mesmo incríveis, e são letras para se refletir.

    Beijoos, Ana Carolina
    simplesglamour.blogspot.com
    Instagram e Twitter: @simplesglamour.

    ResponderExcluir
  16. Eu adoro a Clarice e realmente as músicas dela trazem esse real, essa loucura, talvez por isso a maioria das pessoas gostem.

    http://www.pamlepletier.com/

    ResponderExcluir
  17. Por um mundo menos racional e mais emocional. : )

    http://naomemandeflores.com

    ResponderExcluir
  18. Adorei seu texto. Mega complexo;
    beijos
    http://cookierobsten.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. É... o que você escreveu é bem verdade. Queremos muito ser diferentes, sinceros, abertos e tantas outras coisas e nas vezes em que conseguimos, normalmente é apenas sobre algo especifico que nos diz respeito. Tudo bem ser louco aqui, mas ali já é um absurdo. Algo que já faz parte da gente, mas seria realmente incrivel se nos libertassemos por completo.
    Eu acho...

    Ótimo texto!
    Beijos
    A Mente Transborda

    ResponderExcluir
  20. Bem interessante este assunto flor! É importante!

    Bjus florzinha!

    Aline Laitarte - www.bomboneca.blogspot.com

    ResponderExcluir
  21. Seu pensamento voa longe né, cheia de ideias e opinião, amei o texto
    Beijos

    http://segredosdacahlima.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  22. Amei o texto! Adoro a Clarice, suas composições são sabiamente malucas. Sem sentido, mas com todos sentidos do mundo. Adorei! Parabéns pelo texto :)
    http://eu-ludmilla.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  23. O texto é lindo, amei, você escreve super bem!
    Beijos
    http://isabellalmeida.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  24. Não é o tipo de assunto que gosto de pensar - também tenho uma carga genética com tendências a depressão, síndrome do pânico e etc rs -, saber lidar com isso não é muito fácil, na minha opinião, rs.

    Beijos!

    www.belezamista.com

    ResponderExcluir
  25. Eu gostei muito do texto, flor! Ah...isso é normal, nos escondemos em músicas, poesias e tudo mais...até mesmo personagens. Não dá para ser totalmente real na sociedade senão te chamam de louca para baixo. kkkkkk
    Beijos!
    Monólogo de Julieta.

    ResponderExcluir
  26. Oii,

    Você escreve muito beem!!
    Eu gosto de todas as loucuras da Clarice hahaha, as letras dela são engraçadas e muita gente já pensou...
    Gostei do seu texto.

    Beijinhos,
    entrechocolatesemusicas.blogspot.com.br
    EC&M

    ResponderExcluir
  27. Adorei o texto! Realmente, quando as pessoas colocam pra fora a sua "loucura" só estão sendo elas mesmas. E de fato não dá pra fugir de alguns padrões que nos foram empurrados desde a infância.
    Beijos.
    http://infinitafeminice.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  28. Amamos o texto, você abordou um assunto complexo de uma maneira bem simples e leve !! Assim como a Clarisse faz em suas músicas !!

    beijos

    http://www.onlyinspirations.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  29. Adorei o texto, Thay. Você escreve muito bem! ;-)
    Verdade, ser "louco" meio que virou normal, né?
    Beijos,
    Carol
    www.pequenajornalista.com.br

    ResponderExcluir
  30. Excelente texto!
    Não costumamos executar tudo o que pensamos e queremos e, muitas vezes, isso pode ser loucura, pois coisas às vezes viáveis são reprimidas pelo medo.
    E acabamos por seguir padrões.
    Muito bom!
    Beijos, Cyn.
    http://ograndetalvez.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  31. Adorei o texto, Thay. Estamos todos engessados, só muda a forma, o molde... Eu penso assim...

    Bjos
    chuvadecamelias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  32. Sei bem como é!!!! Nós entendemos Thayse!!!! Sucesso na apresentação!!!! Depois conta como foi!!!

    ResponderExcluir


Obrigada por visitar o Brilho de Aluguel!

Os comentários estão sendo moderados, mas responderemos assim que possível.

Dúvidas, sugestões ou reclamações? Envie um e-mail para blogbrilhodealuguel@gmail.com

 
Brilho de Aluguel © 2010 - 2017 | By Thayse Stein