06/01/2018

Diário de Viagem: Hanover

Oi, gente! Tudo bem? Quem lembra que na TAG Wanderlust respondi falando que gosto de me programar bastante pra ir pros lugares, vai estranhar o que vou dizer nesse post. Eu praticamente coloquei na cabeça que queria visitar Hanover, só porque é perto de Bremen (e estaríamos por lá) e fizemos um bate e volta lá no "segundo dia" de Natal (dia 26, um feriado, como eles mesmo chamam). Dei uma pesquisada bem rápida e encontrei informações dizendo que a cidade tem uma linha vermelha desenhada no chão, que passa pela estação de trem e vai te "levando" para os principais pontos turísticos. Achei sensacional e fomos bem soltos, com essa ideia de caminhar e conhecer o lugar (hora seguindo essa linha, hora indo livremente).
Conferimos no site da companhia de trem alemã os preços dos tickets de Bremen para Hanover e vimos que ida e volta por pessoa custava €13.50 (€6.75 o trecho) e resolvemos comprar o bilhete pra ir de manhã e voltar fim de tarde - o trajeto dura cerca de 1h20min e pra nós, valeu super a pena, pois tínhamos mais um dia em Bremen e já tínhamos visto tudo que mais queríamos.
Hanover é a capital e a maior cidade da Baixa Saxônia, localizada nas margens do rio Leine e fundada em 1241. A população é de cerca de 518 mil habitantes e uma curiosidade interessante é que a cidade é terra natal da banda Scorpions. Ficamos caminhando no centro, perto da estação, e logo fomos para a Aegidienkirche, que sofreu um bombardeio em 1943. A igreja não foi reconstruída, sua ruína (que é impactante) serve de memorial às vítimas das guerras e da violência.
A cidade ainda tava toda nesse clima de Natal, com uma decoração muito fofa por toda parte (com muitas árvores natalinas e pisca pisca nas fachadas). O comércio estava praticamente todo fechado (só na estação tinham lojas abertas e pela cidade, somente uma ou outra padaria, restaurante, café).
A cidade é muito peculiar, mistura vários tipos de estilos arquitetônicos: uma hora, vemos umas vilinhas com aquelas casas bem tradicionais estilo enxaimel (ou Fachwerk), daí tem as igrejas góticas, prédios antigos cheios de adornos de encher os olhos, e também prédios residenciais mais recentes, lisos e coloridinhos... Enfim, é muito interessante de se ver pessoalmente.




 
Fomos até o rio e vimos uma parte do Skulpturenmeile Hanover (oito esculturas montadas nos anos 2000, no espaço público) que estão em vários cartões postais da cidade. Paramos pra um café e logo depois fomos ver a última atração na cidade, o Neues Rathaus, o prédio antigo da prefeitura que foi inaugurado em 1913 (tendo levado 12 anos pra ficar pronto!). É um edifício embutido no Maschpark.


 
Passamos por vários pontos interessantes seguindo a linha vermelha e também saindo um pouquinho dela (não tem muito como se perder, logo ela reaparece e diz no chão o número daquela atração - já li informações de que é possível comprar um livrinho explicando melhor como ela funciona e sobre cada ponto, mas como só tínhamos um dia na cidade e queríamos ver com calma um pouco de tudo, acabamos não indo atrás do guia). No fim de tarde, pegamos o trem de volta pra Bremen, onde estávamos hospedados e no dia seguinte, seguimos para Hamburgo - mas isso é assunto pros próximos posts :) Beijos!

3 comentários:

  1. Achei bem interessante a arquitetura do lugar, estilo meio gótico.
    big beijos
    www.luluonthesky.com

    ResponderExcluir
  2. Meu Deus que lugar incrível! Eu nunca tinha ouvido falar desse lugar antes, como assim?! Meu sonho é viajar pelo mundo, espero conehecer esse lugar algum dia ❤
    www.boas-depapo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Uau...que lugar lindoooo..Não conheço Hanover, mas com certeza vou colocar na minha lista de lugares para visitar.
    Achei as fotos muito lindas.

    Dani Ramos
    https://donaengenhosa.com.br/

    ResponderExcluir


Obrigada por visitar o Brilho de Aluguel!

Os comentários estão sendo moderados, mas responderemos assim que possível.

Dúvidas, sugestões ou reclamações? Envie um e-mail para blogbrilhodealuguel@gmail.com

 
Brilho de Aluguel © 2010 - 2018 | By Thayse Stein